Como comprar imóvel com inventário incompleto com segurança

Com o alvará judicial, o comprador pode fazer a escritura definitiva do imóvel mesmo sem o inventário finalizado

Adquirir um imóvel cujo inventário ainda não está concluído requer alguns cuidados do comprador. Embora essa pendência não impeça o negócio, o processo se torna mais arriscado para quem está fazendo o investimento. Mas é possível fazer a compra de forma segura com auxílio judicial.

O objetivo do inventário é dividir os bens de alguém que morreu entre os herdeiros. Enquanto não há uma definição, quem compra um imóvel envolvido na partilha não pode fazer a escritura de compra e venda nem registrar o bem em seu nome. E é aí que mora o perigo.

— No mundo jurídico, há um ditado que diz que só é proprietário quem registra. Sem o registro, o imóvel continua no nome do falecido (advogado Leandro Sender).

Até se admite fazer uma escritura de bens futuros, em que os herdeiros se comprometem a concretizar a venda do imóvel depois que o inventário for concluído. Mas existem dois riscos. Um é que eles podem não fazer isso, e quem pagou pelo imóvel não vai conseguir registrá-lo — em outras palavras, não será o proprietário oficialmente. Outro é o processo de partilha demorar anos e, nesse decorrer de tempo, credores da pessoa que morreu cobrarem alguma dívida deixada. Nesse caso, o imóvel poderá ser utilizado para pagamento do débito, o que acarretará prejuízo para o comprador.

A forma mais segura de comprar um imóvel sem inventário pronto é o interessado na aquisição pedir ao juiz do processo um alvará judicial, que é uma autorização para comprar o imóvel. Todas as partes envolvidas têm que concordar. Com esse alvará, o Cartório de Notas pode fazer a escritura definitiva mesmo sem a conclusão do inventário.

Dessa maneira, o valor pago pelo imóvel é depositado em uma conta em juízo vinculada ao processo. Assim, se algum credor aparecer depois, é esse dinheiro que será usado para a quitação da dívida.

O inventário só leva mais tempo para ser concluído se for judicial — quando há briga entre os herdeiros ou os menores de idade envolvidos na partilha. Se for extrajudicial, em cerca de dois meses o processo é concluído. Nesse caso, é melhor evitar a burocracia e esperar o término para concretizar a compra do imóvel.

Fonte: extra.globo.com (Seu Castelar)

Written by 

O Grupo Granada Negócios Imobiliários é uma Empresa do ramo imobiliário que atua na região do Vale do Paraíba SP e tem sua sede em São José dos Campos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: